sexta-feira, 7 de agosto de 2009

Ídolo e fã.

- Meu Jesus, não acredito que é você!  

Sim, era ela mesmo. Jelly Bee em carne e osso, sentada ao lado de sua poltrona. Nunca a tinha visto fora das telas e das revistas.

- Maluco, quando eu contar pros meus amigos que voei ao seu lado...
- Eh... o senhor deixou sua mochila cair.

A mochila estava largada no chão. Pareceria um defunto, se não fosse cheia de cores, desenhos e letras grandes e chamativas. Rapidamente, o tiozão a pegou e colocou no porta-malas acima das poltronas.

Desengonçado que só, ele se ajeitou para mais próximo da atriz/cantora/compositora/dançarina.

- Você sempre pega esse vôo? 
- disse o "Don Juan."
- Aff...


Jelly Bee olha para os lados. Todas as poltronas estão ocupadas. Olha pra cima. “Por quê eu?”

O avião decola. Ela espera que a viagem termine logo, olhando pra janela. Ele espera que nunca acabe, olhando para as pernas da celebridade.

Após algum tempo, Jelly olha para o lado, achando que ele está dormindo. O homem parece estar hipnotizado, olhando pro seu decote. E a mão dele estava debaixo da cueca.

- Ehnn, com licença, mas o seu zíper está aberto, senhor.


Envergonhado, o tio tirou a mão e arrumou o zíper. Alguns começam a reparar na cena

- Jelly, me-me desculpa, eu...
- Aff, não fale mais nada comigo, por favor!
- Nem olhar?
- Nem olhar!
- Posso fazer uma última pergunta?
- Nem mais uma!
- Por favor, vai?  

- Tá bom, qualé a pergunta?
- Pode me dar um autógrafo?
- Olha, você tem uma caneta? Porque eu não tenho nenhuma. Pergunta pra alguém aí no avião.
- Alguém tem uma caneta pra me emprestar? Gente, eu preciso que a Jelly Bee me dê um autógrafo! Por favor! Esse é o dia mais importante da minha vida!

Ninguém presta atenção. Ouvir MP3 é bem mais interessante do que ajudar o outro. De um em um, ele vai a cada passageiro, vai até mesmo à cabine do piloto. No fim, ele vem cantando até Jelly Bee.

- Você, você, você é o cara...
- Conseguiu a caneta?
- Tá aqui, Jelly!

Hesitou em pegar a caneta, olhando-a com nojo; mas lembrou que já fizera coisas bem piores do que isso.

- Onde você quer que eu assine?
- Na minha bunda, que tal?
-  

- Que foi?
- Cê tá doente?! Como é que eu vou assinar nisso?

A cena começava a atrair espectadores.

- Ora, se o problema é pudor, nós dois podemos ir lá no banheiro, onde você ficará mais a vontade para...
- Olha aqui, eu vou falar com meu advogado e vou te processar, seu infeliz! 

- Mas, Jelly, não foi nada disso que você entendeu, eu só queria que você assinasse na minha bunda! É pedir muito?
- Eu não vou assinar nessa sua bunda branquela!
- E como você sabe que eu tenho uma bunda branquela?  
 

A essa altura do campeonato, já tinha gente até com pipoca na mão assistindo ao diálogo. A cada contestação, réplica e tréplica, vinham ameças e ofensas, seguidos de onomatopeias das torcidas como “a-êêê”, “fiu-fiu”, entre outras.

- Tá bom, tá bom, Jellyzinha do meu S2, se você não quer assinar na minha bunda, eu tenho algo seu aqui pra isso.
- Você tem um CD meu?
- Peraí, vou pegar na mochila.

Jelly Bee não acreditou: alguém comprou seu CD! Não que fosse pela qualidade musical - ela acha que canta muito bem, afinal, todo mundo canta bem após passar pelo estúdio – mas pelo fato de que hoje, ao invés de comprar o produto físico, o consumidor usa e abusa de P2P e TORRENT.
“As pessoas não me admiram somente pela bunda, eu tenho talento mesmo!” - pensou

Grande engano. Gargalhadas rolam soltas no avião. Até as aeromoças pararam de fofocar pra ver aquela situação.

- Você quer que eu assine na minha
Playboy? - pergunta mais desapontada do que envergonhada.
- Não é a minha bunda, é?
- Tá, deixa eu assinar...
- A capa não, quero que você assine na parte do ensaio.
- Qual foto?
- Bem, aquela em que você está deitada de barriga pra cima, tirando a calcinha com olhar de menina sapeca e... 

- Tá, já entendi! Aff...

Folheando as páginas, suas expressões retratavam o estado da revista: amassada, rasgada e com páginas coladas. Dava nojo segurar aquilo.

- A foto tá colada
. Pode ser em outra? 
- Então coloca na última foto.
- A caneta não tá funfando...
- Eu tinha esquecido uma caneta no meu bolso, olha só que coisa!
-
 
- Taqui!
- “Ao meu...”
- Coloca “malandro”, coloca?
- Ok, “... malandro fã, ...”
 
- Gladstone!
- “... Gladstone. Mil beijos, Jelly Bee =**** ”
- YEAH! Tenho um autógrafo de Jelly Bee! Sou o cara mais sortudo do mundo! Muito obrigado, mulher, você é demais! Este é o melhor dia da minha vida! Você é a maior artista que existe. Você é mulher de respeito! Brigado, brigado, brigado, brigado...
- Quanto será que falta pra chegar no Rio – resmunga ela.

Passageiros voltam pros seus lugares, aeromoças fofocam novamente. Gladstone continua se perdendo nas curvas de Jelly Bee. E ela, dessa vez, finge que nada acontece; se distrai com a janela. Como queria arranjar uma desculpa pra botar aquele cara pra longe...

- Atchin!
- Ai, você espirrou nos meus seios, seu porco!
- Jelly, me-me desculpe, eu...
- Você não tá com gripe suína, tá? 


Todos no avião com olhos de martelo.

- Acho que não.
- Você acha?
- Err... veja bem...
- Olha só, sou uma cantora de mega-sucesso e não posso me contaminar com qualquer gripezinha, principalmente essa tal de gripe suína que tá matando todo mundo!
- Mas até agora não matou tanta gente assim! A gripe comum mata muito mais do que ela...
- Não importa! Acontece que eu não posso ficar de cama, senão perderei meus shows!
- Mas você nem vem fazendo tanto show assim...
- Engano seu! Quer ver minha agenda?
- Tá bem, eu saio daqui, mas onde eu vou sentar?
- Sei lá, troca de lugar com alguém! Alguém pode trocar de lugar com ele?

Ninguém falou um ai. Alguns chegaram a tapar a boca e o nariz com a camisa e até a colocar máscaras. A euforia e deboche deram lugar ao medo.

- Por favor, sai de perto de mim! Eu vou surtar...
- Mas eu não tenho...
- AAAAAAAHHHHHHHHHHHH!!! 
- Tá, tá, tá, tá, tá! Só porque eu gosto de você, eu vou pra outro lugar, então.
- Ai, graças a Deus! Onde você vai ficar?

Gladstone pega a Playboy e diz:

- No banheiro.
 


*******************************************
Aew, pessoal! O que v6 acharam dos emoticons na crônica? Resolvi dar uma de ousado e inovar na prosa inovar uma ova, um monte de vagabundos e doentes mentais já fazem isso em outros blogs. Deixem suas opiniões nos comentários, a favor ou contra. "Dia da cidadania" fica pro fim de semana! /bjsmeliga =*****

NOTA¹: o médico que aparece nos diálogos é ninguém mais, ninguém menos, do que Dr. Pepper, personagem de DMT, "O Criador".
NOTA²: Se você anda paranóico com as manchetes sobre a gripe suína, leia isso (é pra ler tudo, mocinho!).

Bookmark and Share

4 comentários:

Joy disse...

Hahahha!! Muito bom!!
Os emoticons deram uma ajudada nos risos, ehhehe!
Bom.. como vc disse que "é pra ler tudo mocinho" eu não vou ler.. pq eu não sou mocinho!

bjos

exoticlic.com disse...

hehe que pena que não gostou do novo header, eu vivo mudando sempre mudo vc vai ver com o tempo... adoro coisinhas bizarras

Raiany disse...

Ficou ótimooooooo..
Tinha que ser o Dih pra escrever uma coisa dessas.
Parabéns, você ta cada dia melhor...

Mudei a última estrofe de lugar disse...

cara, adorei o tom cômico. tah muito bem amarrado, vc construiu muito bem. valeu!